navegar pelo menu
quarta-feira

Sobre dias nublados

Photo by Kristina Tripkovic on Unsplash

Acontece que a vida nem sempre é colo de mãe, abraço apertado, carinho nas costas da mão ou aquela soneca no meio da tarde. Têm dias que o peso do mundo parece cair sobre nossos ombros. E a gente chora antes de dormir e é como se tudo estivesse desabando naquele momento. às vezes somos só isso, o peso, e chega mais um e coloca outro grão e a pilha fica tão cheia, a ponto de desmoronar. É aquela coisa, nada é tão ruim que não possa piorar.

A vida é assim mesmo, em alguns dias dói. A tristeza puxa os cabelos, machuca por dentro e te enche de hematomas. E tudo bem chorar, aquele choro escandaloso ou silencioso, com o travesseiro no rosto, para evitar que alguém escute. E tudo bem não querer remover o travesseiro, querer apertar ele bem forte, até perder o ar. Está tudo bem querer desistir, uma vez ou outra. Existir é um peso enorme, eu sei. E faz a gente querer fugir da própria vida. Querer abrir um zíper nas costas e sair do próprio corpo, porque dentro da gente, nesse momento, não é o melhor lugar para permanecer. 

Tudo bem desmoronar por um tempo, não tem problema admitir que machuca, só não esqueça que uma hora passa. Antes de passar, maltrata. E como maltrata! E enquanto não passa, aproveita para conhecer um pouco mais de si mesmo, suas limitações. Olhar a vida e sua existência por outro ângulo. Que dê tempo pra ferida cicatrizar e seu caminho ficar visível novamente e você começar a caminhar pra frente. Como tem que ser.

Só não se entrega, levanta da cama, lave o rosto, tome um café e quando isso tudo acabar, comece a agradecer pelas coisas boas que há na sua vida.

 “Don't give up, keep on going,
 You're on a boat, so keep on rowing.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial