navegar pelo menu
quinta-feira

Carl Sagan não explicaria

Reprodução/Pinterest

Meus amigos e até minha psicóloga me disseram que eu tenho costume de morrer antes de levar o tiro, mas é que eu sempre consigo ver a bala vindo em minha direção antes mesmo do gatilho ser puxado.

A sua chegada já era uma tragédia anunciada para qualquer um que estivesse próximo de nós. Você era campo minado e eu não consegui identificar de primeira, mas insisti em percorrer todas as suas áreas, mesmo sabendo que qualquer passo errado poderia me detonar.
Eu poderia usar as palavras mais bonitas já vistas no dicionário para compor as páginas que contariam nossos momentos, mas palavras bonitas já não cabem para descrever as memorias póstumas de nós.

A teoria do big bang se encaixaria perfeitamente. Talvez, tenhamos partido de um ponto extremamente denso e o choque dos nossos corpos tenha causado uma explosão, criando o cosmo, que Carl Sagan definiu como tudo o que já foi, tudo o que é e tudo que será. Talvez, nem as leis da física e da química, tampouco nenhum cientista capaz de calcular a distância entre as galáxias ou a velocidade com que elas se afastam seriam capazes de explicar o exato momento em que a gente se perdeu.

Te desconhecer foi como um desastre natural de alcance catastrófico, balançando cada fio da minha cabeça, trazendo sérios danos e deixando cicatrizes visíveis no meu corpo e coração, e esse acontecimento não foi registrado em nenhum livro de geografia.

Você me atingiu como um furacão categoria 5, causando efeitos devastadores e, depois que passou, deixou apenas os escombros. Eu ainda não consegui me recuperar. As marcas estão aqui visíveis.

Como o tsunami que atingiu a costa da Indonésia sem nenhum tipo de aviso, foi deixando estragos irreparáveis. Chegou levando tudo que estava pela frente, inundando minha mente e meu corpo, sem me dar nenhum tempo para que eu buscasse proteção.

Foi igual a um terremoto com magnitude 8 graus na Escala Richter, causando pânico, me atingindo com tanta força a ponto de abalar todas as minhas estruturas e deslocar as placas tectônicas do meu coração.

Você, a soma de todos os desastres naturais.
E eu?
Destroços.

14 comentários:

  1. Oie!
    A primeira frase que você usou "Meus amigos e até minha psicóloga me disseram que eu tenho costume de morrer antes de levar o tiro" me fez pensar demais sobre isso, essa pré ocupação que arrumamos na vida das coisas que nem sempre vem a acontecer (às vezes a bala era de festim e às vezes a arma nem estava carregada...).
    Sei que o texto levou um rumo distinto, da partida arrasadora, mas foi o primeiro parágrafo que embasou tudo e, ao mesmo tempo, abriu diversas portas. Gosto sempre de ver essas possibilidades no texto e adorei a comparação com os terremotos. (Im)previsíveis à sua maneira, mas acabam por não nos impedir de reconstruir tudo depois.
    xoxo

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso! Me identifiquei muito com ele!
    Por vezes depositamos nosso amor e confiança em determinadas pessoas, mesmo sabendo que isso pode não terminar bem. Nos deixamos levar pelo momento, e quando nos damos conta nossa vida muda completamente. E a pessoa se vai. E ficamos totalmente perdidos e muitas vexes inconsoláveis... Mas nunca é tarde para recomeçar, para se reconstruir, com mais força e sabedoria dessa vez ❤️

    ResponderExcluir
  3. Eu faço isso, morro antes de levar o tiro. É algo que tento melhorar em mim, penso tanto no que pode acontecer e sempre só de forma ruim.
    Bom texto, comparação bem feita, parabéns. Ha, amei seu layout rs.

    ResponderExcluir
  4. Eu amo essa imagem. ♥
    As vezes temos o dom de ver as coisas que podem acontecer, mas nem sempre queremos acreditar nisso.São apenas imaginações, vai que seja diferente, né? Seu texto me deixou com um sentimento de quero mais, sua escrita e toda essa comparação com os desastres naturais foram maravilhosos.

    Prazer, Jéssica

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Quanta emoção! Eu fiquei arrepiado a cada parágrafo, e não consegui segurar a cara de aflição ao final do texto. O que você nos proporcionou é pura intensidade, emoção, um mar de sentimentos no meio de tanta ciência. Amei o post, esse é daqueles que eu volto direto só pra ler incontáveis vezes.
    Abraços,
    Literalize-se

    ResponderExcluir
  6. Eu ia comentar que me identifiquei com seu primeiro parágrafo enquanto o lia, mas no fim das contas o texto inteiro foi a soma de desastres naturais que me deixou em destroços. Sei que todo mundo sente cada coisa ao seu modo, mas a identificação foi inevitável - e a admiração também, porque ficou maravilhoso!

    ResponderExcluir
  7. Eu entendo completamente todas as palavras, as vezes a gente meio que programa a dor antes mesmo de sentir ela, sofremos antecipadamente, sem nem saber se aquilo irá ocorrer mesmo. Parabénns pelo texto, você se expressa muito bem em palavras! Amei o post, um super abraço,xx.

    ResponderExcluir
  8. OMG! Amei! Como letrista e compositora que sou diria que se você tem interesse na música, daria uma ótima letrista e/ou compositora - com destaque por sua criatividade! Ao ler seu texto já fiquei imaginando como ficaria top usar algumas das suas expressões criativas nas estrofes e os termos intensos no refrão. Voz soprosa feminina + piano + cello!!! :D
    x
    www.paulamusique.com

    ResponderExcluir
  9. Que texto criativo e agradável de ler! Eu realmente amei! Toda a comparação e o sentimento envolvido, que criatividade! Parabéns <3

    ResponderExcluir
  10. A primeira frase do texto resume bem várias pessoas no nosso mundo, e acho que eu me incluo nisso. Faço muitas coisas que raramente dão totalmente erradas, mas também raramente dão totalmente certas, e por isso eu quase nunca sei o que esperar de tudo que me apresentado na vida. Estou tentando me acostumar. As pessoas são confusas, cada uma à sua maneiras, mas algumas chegam na nossa vida para causar mudanças drásticas... algumas boas, outras ruins. Faz parte! :p

    ResponderExcluir
  11. É muito normal isso! Sofrer por antecedência. Não sabemos o que pode acontecer a partir de determinada decisão, mas já sofremos só de pensar. É natural. Você expressou da forma que me sinto, da forma que sentimos, todos, nós, que temos esse mesmo "problema". Intenso, essa é a palavra que define todo o seu texto. AMEI!

    ResponderExcluir
  12. Gente e esta mistura de ciência e romance neste texto que ficou incrível, gostei da forma de se expressar através de artigos cientificos.

    ResponderExcluir
  13. Oii!! Parabéns pelo seu post! Eu adoro textos amorzinho assim. Me identifiquei muito com essa sofrência antecipada pelas coisas que ainda nem aconteceram HAHA. Gostei muito do uso da ciência como metáfora pro amor! <3 Com certeza vou acompanhar mais textos aqui. Beijos

    ResponderExcluir
  14. Olá lindona, como está? Espero que bem! Que texto mais incrível e puro amor!
    Meus parabéns pelo post e pelo blog. <3


    Grande beijo,

    www.mundodefany.com.br

    ResponderExcluir

Postagem mais antiga Página inicial